Ignorância Pluralística, Conformismo, Pensamento de Grupo e o Efeito Espectador!

Ignorância pluralística

Em psicologia social, ignorância pluralística, conceito criado em 1924 por Floyd Henry Allport, é um processo que envolve vários membros de um grupo que pensam possuir percepções, crenças, ou atitudes diferentes do restante do grupo. Apesar de não apoiarem a norma do grupo, os dissidentes se comportam como os outros membros, porque pensam que o comportamento dos outros componentes demonstra que a opinião do grupo é unânime. Em outras palavras, visto que aqueles que discordam comportam-se como se concordassem, cada um dos dissidentes imagina que a norma é aprovada por todos os outros membros, menos por ele mesmo. Isto, por sua vez, reforça o desejo de conformar-se à norma do grupo em vez de expressar discordância. Por conta da ignorância pluralística, as pessoas podem se conformar com a opinião consensual percebida num grupo, em vez de pensar e agir sob suas próprias perspectivas.

A ignorância pluralística explica parcialmente o efeito espectador”: a observação de que é muito mais provável que as pessoas intervenham numa emergência quando estão sozinhas do que quando outras pessoas estão presentes. Se as pessoas monitoram as reações dos outros em tal situação, podem concluir a partir da falta de iniciativa alheia, que as outras pessoas pensam que não é necessário intervir. Se todos se comportarem desta forma, ninguém fará nada, mesmo que algumas pessoas pensem consigo mesmas que deveriam ter feito alguma coisa. Por outro lado, se alguém intervém, é mais provável que outras pessoas sigam o exemplo e prestem ajuda.

Conformismo

Quando a conformidade se dá por submissão, consciente ou inconsciente, é usual dizer-se que ocorreu uma situação de conformismo. Quando um indivíduo ou um grupo reclama ou reage à submissão, não se conformando a crenças ou comportamentos, ocorre o que usualmente se chama de inconformismo.

Conformismo é a atitude social que consiste em se submeter às opiniões, regras, normas, modelos que representam a mentalidade coletiva ou o sistema de valores do grupo ao qual se adere a torná-los seus. Esse processo, amplamente estudado em psicologia social, corresponde mudanças de opinião, de comportamento ou mesmo de percepção de um indivíduo ou grupo minoritário, em situações influência ou pressão social exercida por parte de outros indivíduos ou por um grupo dominante.

Segundo Solomon Asch, indivíduos ou grupos se tornam conformistas para evitar o conflito entre duas opiniões diferentes (aquela expressa pela maioria e aquela expressa ou representada mentalmente pelo indivíduo ou grupo minoritário)) e a rejeição pela maioria. Para Asch, o conformismo corresponde a um seguidismo, ou seja, o sujeito que se conforma não adere de facto à opinião da maioria. Ou seja, ele conserva a sua própria opinião mas assume publicamente a opinião da maioria. O conformismo também poderia ser engendrado por uma carência informacional, uma pressão normativa ou pela atratividade do grupo majoritário. Resulta que o indivíduo modifica seus comportamentos, atitudes e opiniões para harmonizá-los com os comportamentos e atitudes do grupo. O conformismo permite também evitar sanções que são aplicadas aos desviantes da norma grupal.

Diferentemente de Asch, Serge Moscovici defende que o conformismo se distingue do seguidismo, que é a vontade de parecer conforme à norma, o que constitui uma modificação aparente e superficial dos comportamentos, sem mudança real da convicção interna.

Pensamento de grupo

Pensamento de grupo é um tipo de pensamento exibido pelos membros de um grupo que tentam minimizar conflitos e chegar ao consenso sem testar, analisar e avaliar criticamente as idéias. Durante o pensamento de grupo, membros do mesmo evitam promover pontos de vista fora da zona de conforto do pensamento consensual. Uma variedade de motivos para isto pode existir, tais como o desejo de evitar ser encarado como ridículo, ou o desejo de evitar perturbar ou irritar outros membros do grupo. O pensamento de grupo pode fazer com que grupos tomem decisões precipitadas e irracionais, onde dúvidas individuais são postas de lado, por medo de perturbar o equilíbrio coletivo. O termo é freqüentemente usado em sentido pejorativo.

A expressão pensamento de grupo (groupthink em inglês) foi planejada como uma reminiscência de palavras da Novilíngua, tais como “duplipensar” e “duckspeak”, do livro 1984 de George Orwell.

Efeito espectador

O efeito espectador refere-se à atitude passiva que as pessoas têm diante de certas situações. Em lugar de agir, as pessoas tendem a assistir as determinadas cenas urbanas.

“A ideia é a de tratar a todos como gostaria que o tratassem a si, a regra de ouro, ‘faz aos outros o que gostarias que te fizessem’.”

Abordagens a parte, o vídeo pode gerar uma bela reflexão a respeito dos nossos comportamentos, enquanto seres sociais.

Experiência de Milgram

A Experiência de Milgram foi uma experiência científica desenvolvida e realizada pelo psicólogo Stanley Milgram. Pretendeu inquirir de que forma é que os indivíduos observados tendem a obedecer às autoridades, mesmo que estas contradigam o bom-senso individual. A experiência pretendia inicialmente explicar os crimes inumanos do tempo do Nazismo. Em 1964, Milgram recebeu por este trabalho o prémio anual em psicologia social da American Association for the Advancement of Science.

Os resultados da experiência foram apresentados no artigo Behavioral study of obedience no Journal of abnormal and social psychology (Vol. 67, 1963 Pág. 371-378) e posteriormente no seu livro Obedience to Authority: An Experimental View 1974.

No final da Segunda Guerra Mundial foram surpreendidos muitos no Ocidente de como aparentemente pessoas saudáveis socialmente bem-ajustadas poderia ser culpado de assassinato, tortura e outros abusos contra civis durante o Holocausto e outros crimes contra a humanidade. Um dos Milgramexperimentets objetivos foram verificar a obediência e autoridade, no efeito sobre a capacidade do sujeito para prejudicar outro ser humano. Os experimentos começaram em julho de 1961, três meses após o julgamento de Adolf Eichmann começou em Jerusalém. O experimento foi concebido para responder à pergunta “Pode ser que Eichmann e milhões de seus cúmplices estavam apenas seguindo ordens? Será que devemos chamá-los de todos os cúmplices?”

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ignor%C3%A2ncia_plural%C3%ADstica

http://pt.wikipedia.org/wiki/Conformidade

http://pt.wikipedia.org/wiki/Pensamento_de_grupo

http://blog.muralpsicologia.com.br/2013/06/psicologia-em-video-philip-zimbardo-o-efeito-espectador/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Experi%C3%AAncia_de_Milgram 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s