Desemprego na Europa Atinge Novo Pico!

 
De acordo com novos dados divulgados pela agência de dados Eurostat, o desemprego em toda a zona do euro (17 países), atingiu um recorde de 12,2 por cento em Setembro. Um adicional de 60.000 pessoas registadas como desempregadas, elevando o total de desempregados na zona do euro para 19,5 milhões. Eurostat também revisou para cima sua figura de desemprego para Agosto, de 12,0 por cento para 12,2 por cento.

As taxas de desemprego oficiais, tanto na Grécia e Espanha são bem mais de 25 por cento. O desemprego na França subiu para 11,1 por cento em Setembro de 11 por cento em agosto, enquanto na Itália a taxa subiu para 12,5 por cento de 12,4 por cento.

Na União Europeia de 27 membros, a taxa oficial de desemprego manteve-se inalterada em Setembro, mantendo-se em 11 por cento pelo quarto mês consecutivo.

Os dados do Eurostat notoriamente subestimam o nível real de desemprego, não levando em conta aqueles que desistiram de procurar trabalho ou as milhões de pessoas que querem um emprego período integral, mas foram forçados a aceitar um emprego de meio período.
 
A situação para os jovens à procura de emprego é ainda mais desastrosa, embora não reflita com precisão nos dados do Eurostat sobre o desemprego juvenil. A agência informou que o desemprego entre os jovens na Grécia em Setembro foi de 57 por cento. Mas, de acordo com as estatísticas da Autoridade Helênica, o desemprego dos jovens na Grécia já havia atingido 64,9 por cento em maio passado. Desde então, na sequência de novos cortes no orçamento, a situação dos jovens na Grécia agravou-se.
 
A notícia é triste em muitos outros países. Níveis de desemprego dos jovens na Espanha estão se aproximando aos da Grécia, e níveis de mais de 50 por cento são registrados na Bósnia, Macedônia e Croácia, o novo participante da União Europeia.
 
Os dados do Eurostat, especialmente no que diz respeito ao desemprego entre os jovens, são uma acusação da União Europeia. Em Junho passado, os líderes da UE se reuniram em Bruxelas e choraram lágrimas de crocodilo sobre a situação dos jovens desempregados e subempregados do continente. Eles emitiram um “Call to Action sobre o desemprego juvenil”.
 
Para os aplausos de líderes sindicais e organizações não governamentais, os chefes de Estado europeus prometeram criar fundos especiais que, alegou-se, daria uma percentagem substancial de jovens com qualquer emprego ou job-training. Desde então, a situação para os desempregados em geral e dos jovens em particular, só piorou.
 
Dois dias antes de emitir o seu novo relatório de emprego, o Eurostat reconheceu que a crise econômica em curso em todo o continente havia interrompido as metas estratégicas de longo prazo da UE para a redução da pobreza e emprego.
 
O relatório emitido 29 de Outubro, declarou: “Sem medidas políticas adequadas para inverter rapidamente esta tendência à pobreza crescente, a UE corre o risco de se afastar do objetivo da Europa sobre a pobreza em 2020.”
 
Um relatório divulgado pela Oxfam em Setembro já havia advertido que até 150 milhões de europeus poderiam ser condenados à pobreza até o ano de 2025. (Veja: ” Até 150 milhões na Europa ameaçados de pobreza “)
 
Enquanto a maioria da atenção tem sido dada pelos meios de comunicação com os números sobre o desemprego, as estatísticas da agência da UE em ponto de inflação para uma espiral deflacionária que afeta grande parte do continente. De acordo com a Eurostat, a inflação na zona do euro caiu para 0,7 por cento em Outubro. Isso se compara a um valor de 1,1 por cento em Setembro e confirma que os preços na Europa estão caindo mês a mês. Em Julho, a inflação na área do euro situou-se em 1,6 por cento.
 
Os números são uma clara indicação de encolhimento das carteiras e declínio do poder de compra, diretamente ligado às políticas de austeridade, desemprego em massa, e a pressão descendente sobre os salários. As estatísticas refutam as afirmações recentes de que a crise do euro está chegando ao fim, com a “luz no fim do túnel Europeu.”
 
A queda nos gastos do consumidor reduz as receitas fiscais do governo, já esgotadas por altos níveis de desemprego. Por sua vez, a base de receitas e declínio dos governos nacionais aumenta seus níveis de endividamento.
 
Itália, Grécia, Irlanda e Portugal atualmente com níveis de dívida pública superior a sua produção econômica anual, e o rácio médio da dívida e o produto interno bruto da zona do euro estão em um nível recorde de 95 por cento, um nível considerado por economistas como insustentável para qualquer período de tempo prolongado.
 
Longe de recuar de sua implacável imposição de medidas de austeridade, que criaram uma catástrofe social de dezenas de milhões de pessoas na Europa, os políticos em Bruxelas e Berlim estão planeando para intensificá-los. De acordo com a última edição do Der Spiegel, funcionários do Ministério das Finanças alemão estão na elaboração de um chamado “pacto de solidariedade”, que exigirá que os países europeus que procuram dinheiro do resgate fresco para implementar medidas “duras” estruturais destinadas a melhorar a competitividade, ou seja, novos ataques em empregos, salários e condições de trabalho.
 
O mesmo artigo na Der Spiegel observa que a chanceler alemã Angela Merkel está confiando em estreita colaboração com o “novo queridinho”, o presidente social-democrata do Parlamento da UE, Martin Schultz, para realizar seus planos.
 
Enormes lucros para as grandes empresas, impulsionadas pela queda dos salários, além de empréstimos praticamente sem juros aos bancos do Banco Central Europeu ter levado os mercados de ações em todo o continente. Na semana passada, o índice DAX alemão ultrapassou a marca de ponto de 9000, pela primeira vez em sua história.
 
Ao mesmo tempo, as enormes somas de dinheiro que está sendo disponibilizada aos investidores pelo Banco Central Europeu e outros bancos centrais do mundo está a alimentar novas bolhas especulativas. Notando que haviam sido tomadas medidas sérias ao longo dos últimos cinco anos para controlar os bancos e os especuladores, o comentarista financeiro Wolfgang Münchau concluiu em sua coluna recente no Der Spiegel como se segue: “Mais uma vez, o crédito barato, produtos financeiros tóxicos, uma farra financeira, e falta de vontade política [para controlar os bancos] coincidir com o outro. Estamos de volta no casino, e todos nós sabemos como isso acaba.”
 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s