Conjunto Escultórico Chamado “Eu vim salvar o mundo” é erigido na Síria!

entrevista, Síria, Samir Shakib El-Gadban, estátua de Cristo

Na Síria, no lendário Monte dos Querubins, foi erigido um grandioso conjunto escultórico chamado “Eu vim salvar o mundo”. O monumento de bronze, representando o Salvador abençoando, tem uma altura de 32 metros com o pedestal e é bem visível desde o Líbano, da Jordânia, da Palestina e de Israel, e constitui uma espécie de símbolo da esperança na paz, não só na Síria, mas em toda a região do Oriente Médio. O diretor da St. Paul and St. George Foundation, Samir Shakib El-Gadban, participante na edificação do monumento e um dos autores da ideia, falou sobre isso na sua entrevista à Voz da Rússia.

A ideia de criar uma escultura deste tipo surgiu ainda no tempo em que a Síria estava longe dos acontecimentos trágicos que ocorrem atualmente no país. Se tratava de um grande projeto para a recuperação e reforço das ligações espirituais multisseculares entre a Rússia e os países do Oriente Médio, explica Samir El-Gadban.

A ideia surgiu em 2005 com a bênção de Inácio IV, na altura Patriarca de Antioquia. Foi ele justamente o autor dessa ideia. A escultura representa a imagem da Segunda Vinda de Cristo. Jesus, que abençoa com ambas as mãos, pisa uma serpente que simboliza o mal. Ele tem à sua direita Adão e à sua esquerda Eva, cabisbaixa. Havia vários locais possíveis para a colocação do conjunto. No final o Patriarca de Antioquia escolheu o Monte dos Querubins. Como se sabe, os querubins são um símbolo do Velho Testamento usado pelo Cristianismo e não negado pelo Islã.

As obras desse projeto invulgar demoraram 8 anos e nelas participaram o clero da Síria, teólogos do Mosteiro da Santíssima Trindade na Rússia e um escultor da Armênia. Não um existe um autor em concreto, a composição foi criada, como se diz, por todo o mundo. A etapa mais difícil foi a última – a colocação da escultura, que decorreu já durante o confronto militar na Síria.

“A colocação da estátua foi uma operação muito complexa porque o equipamento pesado não podia ser transportado para as montanhas. Todas as estradas estavam bloqueadas. Parte delas era controlada pelos rebeldes e parte pelo exército sírio. Era necessário a autorização de todas as partes para que autorizassem a passagem dos equipamentos. Mas sabe, conseguimos fazê-lo. Nós transportámos a maquinaria e conseguimos o acordo de que durante a colocação da estátua não se iria ouvir um só tiro. Durante três dias nenhuma das partes abriu fogo.”

Não há nada de espantoso e de estranho no fato de uma estátua de Jesus Cristo ter surgido num país onde neste momento a esmagadora maioria dos seus habitantes são muçulmanos, explica Samir.

“Nós fizemos esta escultura com base em posições de não-negação de qualquer das religiões. É comumente considerado, por exemplo, que o Islã não aceita as esculturas. Nós próprios estudámos a relação do Islã com a escultura e a pintura cristãs. No Corã não encontrámos uma única palavra que as refute. Da mesma forma não encontrámos nada que as aprove. Nós colocámos, juntamente com muçulmanos e líderes espirituais islâmicos, na base dessa escultura no Monte dos Querubins cápsulas com palavras do apóstolo Paulo.”

Samir El-Gadban sublinhou especialmente que a composição “Eu vim salvar o Mundo” tem um significado espiritual profundo não só para os cristãos, mas também para os muçulmanos e os judeus. Ela poderá se tornar num símbolo de paz em toda a região do Oriente Médio.

 “Cristo é para todos. Todo o mundo muçulmano também aguarda a Segunda Vinda. Ela deve acontecer na Mesquita dos Omíadas, onde se encontram, aliás, as relíquias de São João Batista. O Islã considera que Cristo descerá sobre o minarete branco de Isa (Jesus) dessa mesquita e então terá lugar a redenção da humanidade. A imagem da Segunda Vinda é um símbolo para as três religiões monoteístas. Nós gostaríamos que o nome de Cristo fizesse parar a chacina que está acontecendo na Síria. A nossa escultura é talvez a única no mundo que não celebra o passado, mas o futuro. É uma escultura da esperança em Cristo. Todos nós, as pessoas que esperam Cristo em vez de quaisquer decisões políticas, aguardamos essa salvação.”

É simbólico que o monumento na Síria tenha sido colocado durante a festa cristã ortodoxa da Proteção da Santíssima Mãe de Deus e no dia em que os muçulmanos de todo o mundo realizam a grande permanência no Monte Arafat. Esse é o momento culminante do Hajj, a peregrinação sagrada às cidades santas de Meca e Medina e que termina com a festa do Eid Al-Adha.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s